Meu primeiro “artigo” na verdade é um relato.

Precisava de um servidor Oracle no Linux para retomar meus estudos, e pra isso resolvi recorrer ao VirtualBox.

Para quem não conhece, o VirtualBox é um gerenciador de máquinas virtuais, semelhante ao famoso VMWare.

Abaixo, vou relatar de maneira bem resumida, direta ao ponto, de como fiz toda a instalação. Fiquem a vontade para perguntar, pois neste primeiro relato não darei muitos detalhes, apenas o panorama geral.

Enjoy it!

O Hardware utilizado foi um desktop simples com basicamente:

  • Processador AMD Athlon II X2 240;
  • 8GB RAM;
  • Windows 7

Produtos de Software utilizados e links para download:

  • – VirtualBox – http://www.virtualbox.org/wiki/Downloads
  • – CentOS 5.6 x64 – http://isoredirect.centos.org/centos/5/isos/x86_64/
  • – Oracle 11gR2 64 bits – http://www.oracle.com/technetwork/database/enterprise-edition/downloads/index.html

O primeiro passo foi a instalação do VirtualBox no meu desktop. Esta instalação não tem segredo nenhum, portanto não entrarei em detalhes: basta executar o instalador que foi baixado pelo link acima.

Depois de instalar o VirtualBox, criei uma máquina virtual com os seguintes parâmetros:

– Linux 64 bits
– HD: 80GB
– RAM: 4GB
– Placa de rede em modo Bridge
– Drive de DVD-ROM para instalação do CentOS

Os valores de espaço em HD e memória RAM eu defini conforme a minha disponibilidade de espaço em disco e de memória. Esta quantidade de RAM é a mínima recomendada para a instalação do Oracle 64 bits.

O drive de DVD-ROM pode ser virtual, ou seja, escolhi a ISO do DVD de instalação do CentOS como Drive de DVD-Rom.

Ao iniciar a VM, boot pelo drive de DVD, com o DVD de instalação do CentOS.
Antes de iniciar a instalação, é importante fazer o teste da mídia, ou seja, verificar se está tudo OK com o DVD do CentOS.
Após verificação, e com tudo OK, iniciar a instalação do sistema operacional.

Após o primeiro reboot da instalação do CentOS, desabilitei o Firewall e também o SELinux (fiz isso pela própria interface de instalação do sistema operacional).

Após isso, finalmente fiz o login no CentOS, devidamente instalado.

Rede já funcionando e internet disponível, o CentOS já oferece atualização de pacotes. Autorizo o download e instalação.
Criei o diretório /samba  e dei permissões de acesso. Adicionei esse diretório no servidor Samba. Assim posso copiar arquivos do Windows 7 (host) para dentro da VM.

Segui o guia da documentação oficial da Oracle para instalação, pelo link:
http://download.oracle.com/docs/cd/E11882_01/install.112/e16768/toc.htm

Destacarei os passos principais abaixo, de forma resumida.

Criei os grupos oinstall e dba, com os comandos:

[root@oraserver /]# groupadd oinstall
[root@oraserver /]# groupadd dba

Adicionei o user oracle aos grupos recém criados:

[root@oraserver /]# usermod -g oinstall -G dba oracle

Caso o user oracle ainda não existe, obviamente ele deve ser criado antes deste comando acima.

Ajustar valores do kernel. Valores mínimos:

fs.suid_dumpable = 1
 fs.aio-max-nr = 1048576
 fs.file-max = 6815744
 kernel.shmall = 2097152
 kernel.shmmax = 536870912
 kernel.shmmni = 4096
 kernel.sem = 250 32000 100 128
 net.ipv4.ip_local_port_range = 9000 65500
 net.core.rmem_default = 262144
 net.core.rmem_max = 4194304
 net.core.wmem_default = 262144
 net.core.wmem_max = 1048586

Ajustei então os limites de recursos do user oracle no arquivo
/etc/security/limits.conf adicionando as seguintes linhas:

oracle soft nproc 4096
 oracle hard nproc 32768
 oracle soft nofile 2048
 oracle hard nofile 65536
 oracle soft stack 16384

Criação de diretórios (como root):

[root@oraserver /]# df -h (verificar espaço em disco de cada partição)
[root@oraserver /]# mkdir -p /oracle/app/
 [root@oraserver /]# chown -R oracle:oinstall /oracle/app/
 [root@oraserver /]# chmod -R 775 /oracle/app/

Configurando variáveis de ambiente (como oracle):

TMP=/oracle/tmp
  TMPDIR=/oracle/tmp
  export TMP TMPDIR
  ORACLE_BASE=/oracle/app/oracle
  ORACLE_SID=inst1
  export ORACLE_BASE ORACLE_SID

Copiar os arquivos de instalação do Oracle para o diretório escolhido.
Joguei os 2 arquivos para o diretório:

/oracle/install


Importante: extrair OS DOIS arquivos no mesmo diretório! Comandos:

[oracle@oraserver install]$ unzip linux.x64_11gR2_database_1of2.zip
[oracle@oraserver install]$ unzip linux.x64_11gR2_database_2of2.zip 

Será criado um diretório “database”, com todo o conteúdo da instalação.

O próximo passo é iniciar a instalação do Oracle, através do comando:

[oracle@oraserver database]$ ./runInstaller

Este é um momento crítico! Qualquer detalhe pode fazer com que o comando acima retorne algum erro, e o instalador não abra.

Para evitar que isto aconteça, é importante seguir com a maior fidelidade possível todos os requisitos de pré-instalação da documentação oficial Oracle.

Meu relato termina por aqui. Após a execução do instalador, o procedimento é uma rotina já bem conhecida por nós, DBA’s.

Caso você, caro leitor, não tenha ainda experiência com essa rotina de instalação do Oracle e também do sistema operacional (Linux), deixo aqui links com tutoriais MUITO BONS, os quais aconselho a seguir sempre que realizar este tipo de atividade. Minha intenção com este post não é o de substituir e muito menos concorrer com esses tutoriais, e sim de complementá-los. Qualquer tipo de dúvida durante as instalações, ou algum erro que porventura aconteça, fiquem a vontade para comentar que tentarei ajudar ao máximo possível.

Segue os links de tutoriais:

Instalação do sistema operacional Red Hat Enterprise Linux – também pode ser utilizado para o CentOS 5, a instalação é idêntica.

Instalação do Oracle Database 11g Release 2 (11.2) no Oracle Linux – também pode (e deve) ser utilizado para o RedHat Enterprise Linux 5 ou CentOS 5

Prometo que tentarei fazer artigos mais curtos nos próximos post, de tarefas mais simples e daí sim, com mais detalhes e melhor explicado!